BebêMenino ou Menina

Quem Define o Sexo do Bebê? O Homem ou a Mulher?

Você já teve curiosidade sobre o processo de fecundação e da formação de gênero? Aqui, explicamos tudo!

Você já se perguntou quem define o sexo do bebê quando ele está sendo gerado? Será que a influência maior é dos cromossomos da mãe ou do pai? Caso também tenha essa dúvida, siga com a leitura do texto de hoje.

Ao longo dos próximos tópicos, vamos explicar todos os detalhes sobre esse assunto e esclarecê-lo de uma vez por todas! Confira.

Quem define o sexo do bebê: um pouco de ciência

Antes de saber quem define o sexo do bebê, você precisa entender como essa questão de gênero é formada. E a resposta está na ciência.

Cada ser humano possui um conjunto com 46 cromossomos, divididos em 23 pares, que carregam todo o código genético da pessoa. Esses cromossomos são responsáveis pela definição das características físicas, pelo desenvolvimento de possíveis doenças e, claro, pela definição do sexo.

Dos pares existentes, apenas um deles é responsável pela questão sexual. No caso, são os cromossomos X e Y. Assim, quem é mulher possui um par identificado como XX. Já os homens contêm o par X e Y.

O momento da formação do bebê

Cada criança que nasce herda metade dos cromossomos da mãe e a outra metade do pai. Isso também vale para os cromossomos sexuais. Só que esta questão possui uma peculiaridade.

O óvulo da mulher libera apenas o cromossomo X. Já os espermatozoides do homem podem ter um código genético X ou Y. Sendo assim, na hora da fecundação, o sexo da criança vai depender do espermatozoide que tiver chegado primeiro ao óvulo. Portanto, no final das contas, quem define o sexo do bebê é o pai.

Quem define o sexo do bebê: a escolha por ter um menino ou uma menina

Agora você já sabe quem define o sexo do bebê. Porém, será que esse processo é feito de forma totalmente aleatória ou é possível gerenciá-lo? Bem, um biólogo chamado Landrum Shettles disse ser possível escolher se uma criança será menino ou menina.

Assim, em 1960, ele analisou as estruturas dos espermatozoides e concluiu que aqueles com cromossomo X são mais resistentes, e os com cromossomo Y  são mais rápidos.

Dessa maneira, criou uma série de técnicas para tentar controlar o processo de fecundação. Isso ficou conhecido como Método Shettles. De acordo com o biólogo, a posição sexual e a data em que as relações ocorrem influenciariam no processo de chegada dos espermatozoides ao óvulo.

Entretanto, estudos posteriores provaram que os estudos de Shettles estavam errados, afinal não existem diferenças nem de velocidade nem de estrutura entre os cromossomos X e Y. Ou seja, apenas o acaso é responsável pelo sexo que uma pessoa terá.

A decisão final é do acaso

Já que você chegou até aqui, sabe que quem define o sexo do bebê é, de certa forma, o pai da criança. Afinal, é dele que pode vir o complemento X ou Y.

Porém, isso não é algo feito de maneira consciente ou manipulável. O fator acaso é quem tem a decisão final no processo de fecundação.

E você, já sabia de todos esses detalhes? Conte para a gente aqui nos comentários!

Comentários:

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo